Será que exercitamos bem?


Saúde, bem estar, vida saudável, todos buscam, todos querem ter. Na busca destes benefícios os exercícios ganham um elevado grau de destaque na mídia, sendo incontestáveis os benefícios destes. Será que exercícios sempre trazem saúde, como poderemos saber se estamos sendo bem orientados por nossos instrutores? Estas são perguntas que por muitas vezes antecedem a pratica de exercícios, através deste artigo tentaremos mostrar algumas coisas importantes ao iniciar sua pratica.

Diante da avalanche de informações sobre os benefícios dos exercícios, várias pessoas de distintas formações , desde área de saúde a da educação estão promovendo e ensinando a pratica de exercícios. Em alguns casos a única qualificação dessas pessoas baseia-se na sua fama ou em sua capacidade como promotores de venda. Poucas são as pessoas que se dão conta ao iniciar seu programa de atividade de assuntos complicados tais como:
1) a maneira pelo qual diversos exercícios afetam os diferentes segmentos do corpo;
2) a escolha de exercícios que se completam uns aos outros;
3) a escolha de exercícios específicos que atendam a necessidade de cada pessoa;
4) a maneira de instruir as pessoas sobre a execução correta dos seus exercícios.

Infelizmente a idéia que prevalece é que os exercícios são genéricos, ou do “tamanho que serve para todos”. É verdade que todas as pessoas precisam praticar atividades físicas, porém, nem todos os exercícios podem ser recomendados para todos, e com toda certeza, nem todas elas executaram determinado exercício da mesma forma. Os exercícios visam principalmente três aspectos principais da saúde:
1) A saúde dos movimentos da musculatura esquelética, através de um melhor controle possível sobre a postura e sobre os movimentos específicos; esse controle é o fundamento necessário que serve de base aos exercícios de fortalecimento e de resistência.
2) A saúde dos tecidos e a saúde perfeita musculoesquelética, mediante aumento da capacidade contrátil dos músculos.
3) A saúde do aparelho cardiovascular e a resistência da musculatura.

Os exercícios de controle são o meio de prevenir e corrigir os problemas de dores musculares, para que possamos praticar exercícios de fortalecimento e resistência devemos praticar os exercícios de controle. O fortalecimento não é suficiente para os exercícios de controle. Se assim fosse, não ocorreriam lesões nos atletas e em pessoas que treinam com pesos.

Os exercícios simples são frequentemente os mais eficazes, o que faz o dito menos é mais, mas eles só podem tornar-se eficazes quando bem orientados quanto a sua execução. Muitos deles são componentes movimentos básicos que empregamos nas atividades do dia-a-dia.

bola

Alvaro Alaor Pilates

Os exercícios de controle permeiam toda nossa prática, mesmo os movimentos que possuem um trabalho de força e resistência não abandonamos o controle. Particularmente, praticamos estes movimentos como forma de aquecimento, onde mantemos e acionamos os músculos estabilizadores para criarmos um controle efetivo sobre a pelve e o tronco. Para maior efetividade destes movimentos devemos estar concentrados.

Importante é perceber que nossas emoções também afetam como nos movemos e perceber que certos momentos executamos alguns movimentos com perfeição em outros já nem tanto. Isto faz parte desta aprendizagem e um instrutor experiente estará apto a identificar, e poder modificar ou mesmo mudar os exercícios para movimentos mais adequados para o praticante naquele momento, colocando o aluno em um estado fisiológico mais positivo perante as adversidades de nosso cotidiano.

Conscientize-se de que a essência só se fará presente quando encontrar a espontaneidade de um corpo livre de travas e amarras. Para isso devemos nos ater que cada pessoa é uma unidade, e que o corpo escultural da modelo ou modelo, talvez não seja o ideal para sua estrutura física. Quase sempre somos bombardeados por estes modelos, e quase sempre queremos ter aquele corpo irretocável. Cuidado para deixar de ser aquilo que você é para se transformar em um corpo sem marcas, sem história, sem humores. Em mera imagem. Compreenda que aquele defeito que às vezes consideramos nosso tormento, em muitos momentos pode ser funcional e o seu diferencial. E que na grande maioria das vezes as pessoas mais fascinantes sejam aquelas capazes de ser e permanecer naturais.

Alvaro Alaor

Um comentário em “Será que exercitamos bem?

Deixe uma resposta