Problemas de coluna – hérnia de disco

 

Os discos intervertebrais ocupam cerca de um terço da coluna vertebral. Uma vez que eles não só fornecem a coluna vertebral  flexibilidade, mas também transmitem carga( transferencia de peso) , seu comportamento mecânico tem uma grande influência na mecânica de toda a coluna vertebral. Uma alta proporção de casos de dor lombar está associada ao disco, diretamente através da hérnia discal, ou indiretamente, porque os discos degenerados colocam outras estruturas espinhais sob estresse anormal. Neste artigo, analisamos a estrutura e composição do disco em relação à sua função mecânica e discutimos mudanças no disco na doença.

Anatomia

Existem 24 discos intervertebrais na coluna vertebral humana, intercalados entre os corpos vertebrais. Os discos aumentam em tamanho até a coluna lombar, a aproximadamente 45mm de forma antero-posterior, 64mm lateralmente e 11mm de altura na região inferior das costas.

O disco é feito de tecido semelhante a cartilagem e é composto por três regiões distintas (ver fig). A região interna (núcleo pulposo) é uma massa gelatinosa, particularmente no jovem. A região externa do disco (anel fibroso) é firme e estável. As fibras do anel são cruzadas em um arranjo que permite suportar altas cargas de flexão e torção. Com o aumento da idade, o núcleo perde água, torna-se mais firme e a distinção entre as duas regiões é menos clara do que no início da vida. O disco é separado do osso por uma fina camada de cartilagem hialina, a terceira região. Na fase adulta, a placa final da cartilagem e o próprio disco normalmente não possuem vasos sanguíneos próprios, mas dependem do suprimento de sangue de tecidos adjacentes, como os ligamentos e o corpo vertebral, para transportar nutrientes e remover os resíduos. Apenas a parte externa do disco está inervada.

Existem formas de manter os discos intervertebrais hidratados e com isso com mais saudáveis, suportando as transferencias de descargas pela coluna, seu professor de Pilates ou fisioterapeuta devera saber para manter sua longevidade. E também existem aqueles que mantém um suprimento de sangue para estas regiões. Importante observar que os discos não são inervados ou seja não sentimos dor nele, exceto na periferia dos mesmos e nesse caso ja é indicio de mal funcionamento biomecânico. Nós temos workshops desenvolvidos de como avaliar e exercícios para melhorar, se você for profissional e tiver interesse deixe uma mensagem.  

Composição 

O disco, como outras cartilagens, consiste principalmente de uma matriz de fibras de colágeno (que estão incorporadas em um gel de proteoglicano) e de água. Estes juntos compõem 90 a 95% da massa total do tecido, embora as proporções variem com a localização dentro do disco e com idade e degeneração. Existem células intercaladas em toda a matriz que são responsáveis ​​por sintetizar e manter os diferentes componentes dentro dele (fig abaixo).

A figura é uma

Representação esquemática da estrutura do disco, mostrando fibras de colágeno em bandas intercaladas com numerosas moléculas de proteoglicano

 

Proteoglicanos:

o agrecano principal proteoglicano do disco, é uma molécula grande que consiste em um núcleo central de proteína ao qual são anexados muitos glicosaminoglicanos (cadeias repetidas de dissacarídeos) (ver fig abaixo). Estas cadeias laterais têm uma alta densidade de cargas negativas associadas a elas, tornando-as atraentes para moléculas de água (hidrofílicas), uma propriedade descrita como pressão de inchaço. É muito importante para o funcionamento do disco.

Diagrama de parte de um agregado de proteoglicano de disco. G1, G2 e G3 são regiões globulares dobradas da proteína do núcleo central.

Água:

A água é o componente principal do disco, constituindo 65 a 90% do volume do tecido, dependendo da idade e da região do disco. Existe uma correlação entre a quantidade de proteoglicano e o teor de água da matriz. A quantidade de água também varia dependendo da carga aplicada ao disco, portanto, o conteúdo de água é diferente da noite e do dia, uma vez que a carga será muito diferente ao dormir. A água é importante tanto para o funcionamento mecânico do disco como para fornecer o meio para o transporte de substâncias dissolvidas dentro da matriz.

A quantidade de água nos discos significa uma segurança cinética para o movimento, numa ordem de mais agua mais seguro o movimento, porem é um ciclo de retroalimentação, quanto mais movimento correto mais hidratadoos discos, quanto mais estímulo correto de transferencia de carga mais estímulos para manter hidratação. Nesse sentido quando achamos espaços interevertebrais diminuídos nas ressonâncias nos mostra que existe um ciclo contrario, pouco movimento, pouco estimulo e assim menos e menos água.

Então por que muitos recomendam ficar parado? Eu acredito dois fatores: primeiro o movimento mecanico errado vai piorar a lesão e como médicos podem desconhecer o profissional fisioterapeuta que vai trabalhar prefere recomendar o repouso…porém o repouso estimula perda hidrica…ou pode ser simplesmente por desconhecer

Colágeno:

o colágeno é a principal proteína estrutural no organismo e consiste em uma família de pelo menos 17 proteínas distintas. Todos os colágenos têm regiões helicoidais e são estabilizados por uma série de reticulações intra e inter-moleculares, o que torna as moléculas muito fortes para resistir aos estresses mecânicos e à degradação enzimática. E claro na coluna vertebral nao poderíamos deixar de ter ele para suportar nossos movimentos e cargas na coluna. O comprimento e a forma dos diferentes tipos de moléculas de colágeno e a proporção que é helicoidal variam. O disco é composto de vários tipos de colágenos, sendo o anel externo predominantemente de colágeno de tipo I, e o núcleo e placa de cartilagem são predominantemente de tipo II. Ambos os tipos formam fibrilas que forma a estrutura do disco. As fibrilas do núcleo são muito mais finas (0,05 mm de diâmetro) do que as do anel (0,1 a 0,2 mm de diâmetro).

Células: o disco intervertebral tem uma densidade muito baixa de células em comparação com outros tecidos. Embora a densidade das células seja baixa, sua atividade contínua é vital para a saúde do disco, pois as células produzem macromoléculas ao longo da vida, para substituir as que se quebram e se perdem com a passagem do tempo. 

O disco intervertebral é avascular ele é “abastecido” por vasos sanguíneos vertebrais circundantes e os nutrientes devem difundir do lado de fora do disco para dentro, dependendo de seus gradientes de concentração. ( B ) Demonstra a relação dos gradientes de concentração, pois os nutrientes estão em sua menor concentração no meio do disco, enquanto que os metabólitos e os produtos de “lixo” estão em suas concentrações mais altas no centro por causa da dificuldade relativa de difundir para fora. ( C) Esquema mostrando gradientes de concentração normalizados de glicose, oxigênio e ácido lático através do núcleo e placa final. As concentrações de nutrientes devem permanecer acima dos níveis críticos para manter a viabilidade celular e a atividade. Copyright © 2014. Reimpresso do Nature Publishing Group. Huang YC, Urban JP, Luk KD. Regeneração do disco intervertebral: os nutrientes lideram o caminho? Nat Rev Rheumatol . 2014; 10 (9): 561-566.

Qual a importância de saber disso ? o conhecimento correto faz com que você seja atendido por uma pessoa que ira prescrever exercícios corretos que vão  melhorar sua saúde. Como? Exercícios certos, na hora correta, respeitando, idade, resistência física, biotipo, condicionamento, hora do dia destre outros fatores estimulam uma ótima hidratação de seus discos, estimula você  adotar hábitos de movimentos seguros e saudáveis. O exercício e movimento errado faz exatamente o contrario e diminui a hidratação, a retirada dos metabolitos (lixo) e por conseguinte as famosas hérnias

A hérnia de disco intervertebral ocorre quando há deslocamento do material do disco através dos anéis  radiais além dos limites da margem do disco intervertebral. O material que se estende para fora do anel do disco pode incluir porções do núcleo, placa terminal cartilaginosa, osso apofiseal fragmentado, tecido anular ou todos estes. A maior parte do tempo, o material herniado contém principalmente nucleo, sozinho ou em combinação com os tecidos acima mencionados. As hérnias de disco geralmente estão associadas a alterações degenerativas do disco; no entanto, um disco intervertebral saudável sob muito torque ou carga também pode ter uma hérnia. Devido à forma convexa das vértebras, as fibras anulares médias e externas são submetidas a uma maior tensão quando uma carga de peso é aplicada na coluna vertebral em algum grau de flexão, tornando o anel mais vulnerável a rompimentos radiais ou longitudinais, especialmente no posterolateral região. 

leia também Hérnia de disco é reabsorvida?

Toda e qualquer reprodução desse material deve o autor deve autorizar sobre risco de procedimentos legais. 

 

Referencias

Järvholm, U, G Palmerud, J Styf, P Herberts, and R Kadefors. 1988. Intramuscular pressure in the supraspinatus muscle. J Orthopaed Res 6:230-238.

Jones, DA and JM Round. 1990. Skeletal muscle in health and disease. In A Textbook of Muscle Physiology. Manchester: Manchester Univ. Press.

Kelsey, J. 1982. Epidemiology of musculoskeletal disorders. Monographs in Epidemiology and Biostatistics. Oxford: Oxford Univ. Press.

Kilbom, Å. 1988. Intervention programs for work-related neck and upper limb disorders. Strategies and evaluation. Ergoa 31:435-747.

Leirisalo-Repo, M and H Repo. 1992. Gout and spondyloarthropathies. Rheum Dis Clin N Am 18:23-35.

Malawski, SK and S Lukawski. 1991. Pyogenic infection of the spine. Clin Orthop 272:58-66.

McNab, I and J McCulloch. 1994. Neck Ache and Shoulder Pain. Baltimore: Williams & Wilkins.

Moskowitz, RW, DS Howell, VM Goldberg, and HJ Mankin. 1984. Osteoarthritis Diagnosis and Management. Philadelphia: WB Saunders.

Neer, CS. 1983. Impingement lesions. Clin Orthop 173:70-77.

 

Pope, MH, G Andersson, JF Frymoyer, DB Chaffin (eds.) 1991. Occupational Low Back Pain. St. Louis: Mosby.

Riihimân, H. 1995. Back and limb disorders. In Epidemiology of Work Related Disorders, edited by JC McDonald. London: BMJ.

Ryan, PJ, P Evans, T Gibson, and I Fogelman. 1992. Osteoporosis and chronic back pain: A study with single-photon emission computed tomography bone scintigraphy. J Bone Miner Res 7(12):1455-1460.

Rydell, N. 1973. Biomechanics of the hip joint. Clin Orthop 92:6-15.

. 2017; 10: 1111–1123.
Treatment of chronic low back pain – new approaches on the horizon

Um comentário em “Problemas de coluna – hérnia de disco

Deixe uma resposta