Meu filho pode fazer treino força?

 

bodychildren

É comum ouvirmos de nossas alunas e mães questionamentos sobre treinamento de seus filhos adolescentes e pré-adolescentes. Foi nesse intuito que escrevi este breve artigo orientando o que pode e o que não pode, segundo Council on Sports Medicine and Fitness e  a American Academy of Pediatrics. Isto faz parte de um processo que estamos amadurecendo, estudando, e criando protocolos e padronização, para que possamos atender aos pedidos destas mães de orientação no treino de seus filhos.

 

Sabemos que muitos deles começam os seus treinos como forma de hipertrofiarem seguindo um modelo de estética, esse não deveria ser o padrão ( opinião nossa e também das entidades citadas anteriormente) mas é comum também nossa opinião que sendo feito de uma forma certa é uma forma de manter seus filhos em contato com o esporte e pode ser a abertura para a pratica de uma vida saudável ( alimentação, sono adequado, cuidado com corpo e higiene, auto conhecimento).  Eu não descreverei como fisiologicamente como os adolescentes e pré adolescentes conseguem ganhar massa muscular,  isto será papel para outro artigo.Vou me ater a explicar o que é aconselhado para esta faixa etária neste primeiro artigo.

 

Treinamento de força (também conhecido como treinamento de resistência) é um componente comum de esportes e programas de aptidão física para os jovens, apesar de que alguns adolescentes usam o treinamento de força como um meio para aumentar o tamanho do músculo para melhorar a aparência. Programas de treinamento de força pode incluir o uso livre pesos, aparelhos de musculação, tubos elásticos, ou o próprio peso do corpo de um atleta. A quantidade e forma de resistência utilizada e a freqüência de exercícios de resistência são determinado por objetivos específicos do programa.

babydead

BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO DE FORÇA

Além do objetivo óbvio de ficar mais forte, os programas de treinamento de força podem ser feitos para tentar melhorar desempenho esportivo e prevenir lesões, reabilitar lesões, e / ou melhorar a saúde a longo prazo. Semelhante a outras

atividades física, o treino de força tem demonstrado ter um efeito benéfico sobre vários índices de saúde mensuráveis como a aptidão cardiovascular, composição corporal, densidade mineral óssea, perfil lipídico no sangue, e na saúde mental saúde.

 

Estudos recentes têm mostrado alguns benefícios que o aumento da força tem feito como uma melhora na função corporal global e  no bem-estar mental em crianças com paralisia cerebral. O treino de resistência está sendo incorporado em programas de controle de peso para crianças com excesso de peso como uma atividade para aumentar a taxa metabólica, com exercícios de baixo impacto. Semelhante à população geriátrica, treinamento de força na juventude pode estimular a mineralização do osso e tem um efeito positivo sobre a densidade dos ossos.

 

Vários estudos têm mostrado que o treinamento de força, com boa técnica e com uma supervisão rigorosa, pode aumentar força em pré-adolescentes e adolescentes. Aumentos na força ocorre com praticamente todos os modos de treinamento de força

com duração de pelo menos 8 semanas sendo o treinamento duas vezes por semana pode ser mais benéfico. Programas apropriadamente supervisionados enfatizando fortalecimento do core  também são indicados para crianças e, teoricamente,

beneficiam a aquisição de habilidades específicas do esporte e controle postural. Infelizmente, os ganhos de força, massa muscular e resistência são perdidos após 6 semanas de descontinuamento do treinamento de resistência.

 

As lesões podem ocorrer e ocorrem segundo US National Electronic Injury Surveillance System  na grande maioria com a manipulação de aparelhos. A mesma entidade alega que sobre uma supervisão criteriosa este risco cai muito abaixo de atividades comuns realizadas nas escolas.

 

YogaPanel2

 

Recomendações

 

.Técnicas de resistência adequada e precauções de segurança

devem ser seguidas para que os programas de treinamento de força

para pré-adolescentes e adolescentes sejam seguros e eficazes.

 

.Pré-adolescentes e adolescentes devem evitar levantamento de peso excessivos (peso livre e adequado, medicine ball, elasticos e peso do próprio corpo devem ser encorajados) e fisiculturismo  até que atinjam a maturidade física e esquelética.

 

. Quando os pediatras são convidados a recomendar ou avaliar programas de treinamento de força para crianças e adolescentes, as seguintes questões devem ser consideradas:

Antes de iniciar um programa formal de treinamento de força, a avaliação médica deve ser realizada por um pediatra ou médico de família. Jovens com hipertensão não controlada, transtornos convulsivos, ou um histórico de câncer na infância e quimioterapia não devem  participar do treino até o fim do tratamento ou avaliação adicional. Quando indicado, a referência pode ser feita por um pediatra ou médico especialista em medicina esportiva que esteja familiarizado com vários métodos de treinamento de força, bem como os riscos e benefícios para os pré-adolescentes e adolescentes.

. É preciso uma formação especial que capacite o profissional a trabalhar com esta faixa de idade, ela possui suas particularidades. Isso significa, mãe,  que ser fisioterapeuta, educador físico, instrutor de pilates não capacita o profissional a atender esta faixa etária é necessario um outro preparo. Da mesma forma nem todo pediatra vai ser capaz de fornecer informações precisas sobre o tipo e forma de exercícios que serão necessários para seu filho. Eu acredito no bom senso de quem atende, um boa conversa, honesta com o profissional vai orientar a mãe sobre melhor caminho a seguir.

 

.O treinamento de força com pesos máximos não é recomendado por causa do potencial para possíveis lesões relacionadas aos ossos longos, placas de crescimento, e costas. Deve ser ressaltado que a ênfase primordial deve ser na qualidade da técnica e na segurança adequada da execução do movimento – não de quanto peso pode ser levantado.

.Uma formação adequada e supervisão competente fará com que treinamento de força seja seguro, eficaz e divertido para as crianças. Os instrutores devem compreender a singularidade física e emocional das crianças, e, por sua vez, as crianças devem apreciar os benefícios e os riscos associados com o treinamento de força. Se diretrizes apropriadas forem seguidas,o treinamento de força pode ser agradável, benéfica e saudável e um ótima experiência para as crianças e adolescentes

REFERENCES

 

Foto 3 http://danellechapman.com/yoga.html

1. Faigenbaum AD. Strength training for children and adolescents. Clin Sports Med. 2000;19(4):593– 619

2. Stricker PR. Sports training issues for the pediatric athlete.

Pediatr Clin North Am. 2002;49(4):793– 802

3. Blundell SW, Shepherd RB, Dean CM, Adams RD, Cahill BM.

Functional strength training in cerebral palsy: a pilot study of a

group circuit training class for children aged 4 – 8 years. Clin

Rehabil. 2003;17(1):48 –57

4. McBurney H, Taylor NF, Dodd KJ, Graham HK. A qualitative

analysis of the benefits of strength training for young people

with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 2003;45(10):

658 – 663

5. Morris FL, Naughton GA, Gibbs JL, Carlson JS, Wark JD.

Prospective ten month exercise intervention in premenarchal

girls: positive effects on bone and lean mass. J Bone Miner Res.

1997;12(9):1453–1462

6. Blimkie CJ, Rice S, Webber CE, et al. Effects of resistance

training on bone mass and density in adolescent females. Can

J Physiol Pharmacol. 1996;74(9):1025–1033

7. Falk B, Tenenbaum G. The effectiveness of resistance training

in children: a meta-analysis. Sports Med. 1996;22(3):176 –186

8. Payne VG, Morrow JR Jr, Johnson L, Dalton SL. Resistance

training in children and youth: a meta-analysis. Res Q Exerc

Sport. 1997;68(1):80 – 88

9. Faigenbaum AD, Milliken LA, Loud RL, Burak BT, Doherty CL,

Westcott WL. Comparison of 1 and 2 days per week of strength

training in children. Res Q Exerc Sport. 2002;73(4):416 – 424

10. Stricker PR, Van Heest JL. Strength training and endurance

training for the young athlete. In: Birrer RB, Griesemer BA,

Cataletto MB, eds. Pediatric Sports Medicine for Primary Care.

Philadelphia, PA: Lippincott Williams & Wilkins; 2002:83–94

11. Ramsay JA, Blimkie CJ, Smith K, Garner S, MacDougall JD,

Sale DG. Strength training effects in prepubescent boys. Med Sci

Sports Exerc. 1990;22(5):605– 614

12. Blimkie CJ. Resistance training during preadolescence: issues

and controversies. Sports Med. 1993;15(6):389 – 407

13. Faigenbaum AD, Westcott WL, Micheli LJ, et al. The effects of

strength training and detraining on children. J Strength Cond

Res. 1996;10(2):109 –114

14. Kraemer WJ, Fry AC, Frykman PN, Conroy B, Hoffman J.

Resistance training and youth. Pediatr Exerc Sci. 1989;1(4):

336 –350

15. Ozmun JC, Mikesky AE, Surburg PR. Neuromuscular adaptations following prepubescent strength training. Med Sci Sports

Exerc. 1994;26(4):510 –514

16. Guy JA, Micheli LJ. Strength training for children and adolescents. J Am Acad Orthop Surg. 2001;9(1):29 –36

17. Fleck SJ, Kraemer WJ. Designing Resistance Training Programs.

3rd ed. Champaign, IL: Human Kinetics Books; 2004

18. Webb DR. Strength training in children and adolescents. Pediatr Clin North Am. 1990;37(5):1187–1210

19. Flanagan SP, Laubach LL, DeMarco GM Jr, et al. Effects of two

different strength training modes on motor performance in

children. Res Q Exerc Sport. 2002;73(3):340 –344

20. Ha¨kkinen K, Mero A, Kauhanen H. Specificity of endurance,

sprint, and strength training on physical performance capacity

in young athletes. J Sports Med Phys Fitness. 1989;29(1):27–35

21. Cahill BR, Griffith EH. Effect of preseason conditioning on the

incidence and severity of high school football knee injuries.

Am J Sports Med. 1978;6(4):180 –184

22. Hejna WF, Rosenberg A, Buturusis DJ, Krieger A. The prevention of sports injuries in high school students through strength

training. Natl Strength Coaches Assoc J. 1982;4(1):28 –31

23. Hewett TE, Meyer GD, Ford KR. Anterior cruciate ligament

injuries in female athletes: part 2—a meta-analysis of neuromuscular interventions aimed at injury prevention.Am J Sports

Med. 2006;34(3):490 – 498

24. US Consumer Product Safety Commission. National Electronic

Injury Surveillance System [database]. Available at: www.cpsc.

gov/library/neiss.html. Accessed March 29, 2007

25. Risser WL, Risser JM, Preston D. Weight-training injuries in

adolescents. Am J Dis Child. 1990;144(9):1015–1017

26. Risser WL. Weight-training injuries in children and adolescents. Am Fam Physician. 1991;44(6):2104 –2108

27. Mazur LJ, Yetman RJ, Risser WL. Weight-training injuries.

Sports Med. 1993;16(1):57– 63

28. Weltman A, Janney C, Rians CB, et al. The effects of hydraulic

resistance strength training in pre-pubertal males. Med Sci

Sports Exerc. 1986;18(6):629 – 638

29. Bailey DA, Martin AD. Physical activity and skeletal health in

adolescents. Pediatr Exerc Sci. 1994;6(4):330 –347

30. Steinherz LJ, Steinherz PG, Tan CT, Heller G, Murphy ML.

Cardiac toxicity 4 to 20 years after completing anthracycline

therapy. JAMA. 1991;266(12):1672–1677

31. Maron BJ, Chaitman BR, Ackerman MJ, et al. Recommendations for physical activity and recreational sports participation

for young patients with genetic cardiovascular diseases. Circulation. 2004;109(22):2807–2816

32. American Academy of Pediatrics, Committee on Sports Medicine and Fitness. Adolescents and anabolic steroids: a subject

review. Pediatrics. 1997;99(6):904 –908

33. Gomez J, American Academy of Pediatrics, Committee on

Sports Medicine and Fitness. Use of performance-enhancing

substances. Pediatrics. 2005;115(4):1103–1106

34. Harris SS. Readiness to participate in sports. In: Sullivan JA,

Anderson SJ, eds. Care of the Young Athlete. Elk Grove Village,

IL: American Academy of Pediatrics and American Academy of

Orthopaedic Surgeons; 2000:19 –24

35. Stone MH, Pierce KC, Sands WA, Stone ME. Weightlifting: a

brief overview. Strength Cond J. 2006;28(1):50 – 66

36. Byrd R, Pierce K, Reilly L, Brady J. Young weightlifters’ performance across time. Sports Biomech. 2003;2(1):133–140

37. Hamill BP. Relative safety of weightlifting and weight training.

J Strength Cond Res. 1994;8(1):53–57

38. Cahill BR, ed. Proceedings of the Conference on Strength Training

and the Prepubescent. Rosemont, IL: American Orthopaedic Society for Sports Medicine; 1988:1–14

39. Faigenbaum A, Kraemer W, Cahill B, et al. Youth resistance

training: position statement paper and literature review.

Strength Cond. 1996;18(6):62–76

40. National Strength and Conditioning Association. Strength &

Conditioning Professional Standards & Guidelines. Colorado

Springs, CO: National Strength and Conditioning Association;

2001. Available at: www.nsca-lift.org/Publications/standards.

shtml. Accessed March 29, 2007

 

Deixe uma resposta