Hérnia de disco é reabsorvida?

Eu tenho hérnia de disco viverei com isso o resto minha vida? O que a ciência fala sobre isso, o que é mito e o que e verdade? O corpo possui mecanismos para reabsorver o disco extruido?

Em resposta direta à questão acima, “Sim, a reabsorção dos fragmentos de disco herniados extrudados faz parte do histórico natural de lesão de disco”.  A quantidade de tempo que leva para isso acontecer  varia de pessoa para pessoa, mas aqui estão alguns relatos de vários Estudos:

  • Acompanhamentos com ressonância magnética 6-12 meses após a lesão inicial demonstra que cerca de 50% dos pacientes tem cerca de 70% de redução no tamanho do material extrudido. (Fagerlund, 1990, Maigne, 1992, Bush, 1992; Jensen, 1996; Autio, 2006; Monumento 2011)
  • Em um estudo de coorte retrospectivo, Saal e Saal demonstraram que a hérnia de disco lombar com radiculopatia pode ser tratada com sucesso de forma não-operatória, com tratamento não-operatório, resultando em resultados “bons a excelentes” para aproximadamente 90% dos pacientes. (Saal, 1996)
  • As descobertas da ressonância magnética estão atrasadas após a melhoria dos sintomas das pernas (Ito, 1996)
  • Extrusões maiores e seqüestrações são mais prováveis ​​de absorver. (Maigne 1992, Bush 1992, Jensen, 1996)

Esse último ponto é interessante, pois muitas vezes os pacientes relatam que foi  sugerido cirurgia por causa do grande tamanho do fragmento de disco herniado. Isso é um pouco compreensível, pois muitas vezes uma grande hérnia pode causar não apenas a irritação química da raiz do nervo (devido à inflamação), mas também a compressão mecânica da raiz nervosa. Muitas vezes, a dor intensa na perna acompanha esse cenário e, às vezes, fraqueza motora também. Anos atrás, mais de 3 dias de fraqueza motora progressiva nestes casos conduziram a decisão clínica de descomprimir o nervo cirurgicamente. Na atualidade, este artigo de revisão de 2011 resume esta situação ….

“Na ausência de déficits neurológicos sérios ou por dor nas costas não radicular persistente, o consenso de se a cirurgia é útil ou não ainda não foi estabelecido. Além disso, o momento da intervenção em relação ao cuidado conservador prolongado não foi avaliado adequadamente. “(Jacobs, 2011)

Na revisão de ensaios controlados randomizados que compararam várias intervenções para lesão de disco lombar herniado com compressão ciática Jacobs, et al descobriram que após 1 ano, não houve diferença entre intervenções cirúrgicas versus conservadoras. O principal benefício na cirurgia foi o alívio mais rápido da dor nas pernas, em media ocorre resolução da dor nas pernas em 4 semanas em intervenções cirúrgicas rápidas, contra 12 semanas para cuidados conservadores.

Para aqueles que optam pelo cuidado conservador e querem saber como podem ajudar o processo de reabsorção do material do disco herniado, a ciencia ainda busca respostas, estamos aprendendo quais são essas variáveis. Uma coisa clara a não fazer é fumar. Tsarouhas et al em 2011 mostraram que o tabagismo resultou em dor mais severa com lesão no disco, um tempo maior para a reabsorção de material de disco herniado e os fumantes têm uma duração maior dos sintomas.

Muitos podem se perguntar qual é o mecanismo real para a reabsorção de um disco extrudido. Essa discussão é um pouco técnica com histoquímica e bioquímica. Para aqueles que estão interessados, vamos “atender” e e falar um pouco. Mas senta e tenha paciência, o assunto nao e gostoso, caso queira pode pular ultimo paragrafo.

Lembre-se do joguinho Pac-Man existe uma similaridade entre ele e o que passaremos a narrar.  Como se verifica, os glóbulos brancos, macrofagos (glóbulos brancos, células especializadas na defesa do organismo que circulam no seu sangue, eles eliminam a maior parte dos invasores, engolindo-os num processo chamado fagocitose) desempenham um papel fundamental no processo de hérnia.  Eles se afastam do anel extrudado e trabalham com uma caixa de ferramentas de citoquinas e enzimas proteolíticas. Alguns desses macrófagos são residentes em um disco normal; Outros chegam se os vasos sanguíneos no terço externo do anel ou na placa terminal vertebral forem interrompidos. Quanto mais vasos sanguíneos são interrompidos, mais macrófagos entram em cena. Esse processo se assemelha a muitas outras cascatas inflamatórias comuns. Entre as enzimas que os macrófagos trazem que foram estudadas um pouco mais, estão as metaloproteinases de matriz (MMPs)

Atualmente, cerca de 24 dessas enzimas proteolíticas foram descobertas e elas vieram não apenas de macrófagos, mas também dos condrócitos no disco intervertebral. Eu gosto de pensar nos diferentes MMPs como diferentes tipos de limpadores que você pode usar em toda a sua casa. Talvez você use veja para limpar a gordura de cozinha, vidrex para limpar suas janelas, alguma coisa com CLORO para clarear suas roupas brancas e outro sem cloro para limpar as roupas de cor. Alguns desses limpadores em certas combinações podem não ser uma boa idéia para a saúde (amônia no vidrex ) e discutiremos essa analogia um pouco mais. Além disso, se você tentar limpar a janela com veja pode nao conseguir o mesmo resultado que conseguiria com vidrex ,  o vidrex será superior para fazer o trabalho. Da mesma forma esses limpadores do corpo foram divididos conforme sua função.

As 24 MMPs que foram divididas em grupos dependendo da sua função.

1.  Collagenases  (MMPs-1, -8, -13 e -18) – as únicas enzimas que podem cortar moléculas intersticiais de colágeno intactas.

2. Gelatinases  (MMPs-2 e -9) – degradam moléculas de colágeno desnaturadas e colágenos da membrana basal.

  1. Estromelisinas (MMPs-3, -10 e -11) – cliva os componentes da matriz de cartilagem, incluindo aggrecan, proteoglicanos e fibronectina.
  2. MMPs tipo membrana (MMPs-14, -16, -17 e -18) – responsáveis ​​pela ativação de outras MMPs, mas desempenham apenas um papel secundário na degradação direta da matriz.

Uma descoberta interessante é que algumas dessas MMPs estão presentes em baixas quantidades em discos uniformes e normais. À medida que o disco mostra sinais de degeneração aumentada, a quantidade de MMPs e a variedade de MMPs aumentam.

Se MMPs são necessárias para limpar uma hérnia de disco, então quanto mais  melhor … certo? Bem, nem tanto. Estas são proteínas catabólicas, quebram coisas. Nós a conhecemos desde o final dos anos 90 e estão presentes em maiores quantidades em discos degenerados, e alguns suspeitam que sua própria presença seja a CAUSA da degeneração do disco. Como na maioria das reações corporais, um agente catabólico tem um parceiro anabólico e a homeostase é mantida quando equilibramos essas reações. Parece que quando a escala se inclina em direção aos agentes catabólicos, é quando vemos aumento da degeneração do disco. Pelo menos é o que os estudos correlacionais sugerem.

Investigações sobre MMPs estão tentando encontrar a proporção de MMPs catabólicas versus agentes anabolizantes. Alguns também estão investigando os problemas de estilo de vida que estão correlacionados com dor lombar, degeneração do disco e com upregulation de certas MMPs. Entre os itens de estilo de vida que foram associados com níveis mais altos de degeneração e com níveis mais elevados de MMP no disco, há trabalho físico duro, especialmente quando envolve elevação freqüente de peso de forma errada, abaixar para pegar objetos e peso no chão de forma errada

Você se torna responsável pela sua melhora ou não, o disco extruido como vimos esta te convidando para novos modos de vida, menos estresse, menos cigarro, mais atividade física orientada. Assim como no supermercado existem vários produtos de limpeza com varias marcas,  também e o mercado de quem vai cuidar de suas coluna dolorida. Pilates também não e  diferente tem daqueles que fazem curso de final de semana aos que estão no mercado h’a anos, atendendo. Eu estou ha 18 anos atendendo e estudando, bem vindo caso queira uma ajuda especializada e queira saber como mover preservando a area lesionada num primeiro momento para ir progredindo ate que possa voltar a suas atividades esportivas se esse for caso.

 

Em relação à reabsorção do disco, o que restamos? A história natural após a hérnia de disco é que a reabsorção ocorra em diferentes velocidades e graus dependentes de uma variedade de outros fatores de estilo de vida. Se você quiser melhorar o processo de reabsorção, não fume, faça exercícios moderadamente, mas limite o trabalho físico pesado. 

Se você quiser meu conselho com base na experiência clínica … dobre o quadril quando você se inclina para o chão. Corra atras de um bom profissional, lembre da historia dos agentes de limpeza no supermercado. Boa sorte nesse processo de reabilitação e busca de um novo estilo de vida. Bem vindo ao Pilates bem orientado por quem entende de Pilates e de sua dor.

Referencias
 
1. Haro H, Crawford HC, Fingleton B, MacDougall JR, Shinomiya K, Spengler DM, Matrisian LM. Matrix metalloproteinase-3-dependent generation of a macrophage chemoattractant in a model of herniated disc resorption. J Clin Invest. 2000 Jan;105(2):133-41.
 
 2. Jacobs WC, van Tulder M, Arts M, Rubinstein SM, van Middelkoop M, Ostelo R, Verhagen A, Koes B, Peul WC. Surgery versus conservative management of sciatica due to a lumbar herniated disc: a systematic review. Eur Spine J. 2011 Apr;20(4):513-22.
 
 3.Henmi T, Sairyo K, Nakano S, Kanematsu Y, Kajikawa T, Katoh S, Goel VK. Natural history of extruded lumbar intervertebral disc herniation. J Med Invest. 2002 Feb;49(1-2):40-3.
 
Saal JA, Saal JS, Herzog RJ : The natural history of lumbar intervertebral disc extrusions treated nonoperatively. Spine 15 : 683 – 686, 1991.
 
 4.Bozzao A, Gallucci M, Masciocchi C, Aprile I, Barile A, Passariello R : Lumbar disc herniation. MR imaging assessment of natural history in patients treated without surgery. Radiology 185 : 135 – 141, 1992.
 
 5.Delauche – Cavaillier MC, Budet C, Laredo JD, Debie B, Wybier M, Dorfmann H, Ballner I : Lumbar disc herniation. Computed tomography scan changes after conservative treatment of nerve root compression. Spine 17 : 927-933, 1992.
 
 6.Komori H, Shinomiya K, Nakai O, Yamaura I, Takeda S, Furuya K : The natural history of herniated nucleus pulposus with radiculopathy. Spine 21 : 225 – 229, 1996.
 
 7.Teplic JG, Haskin ME : Spontaneous regression of herniated nucleus pulposus. AJNR 6 : 331- 335, 1985.
 
8.Yukawa Y, Kato F, Matsubara Y, Kajino G, Nakamura S, Nitta H : Serial magnetic resonance imaging follow-up study of lumbar disc herniation conservatively treated for average 30 months. Relation between reduction of herniation and degeneration of disc. J Spinal Disord 9 : 251- 256, 1996.
 
 9.Orief T, Orz Y, Attia W, Almusrea K. Spontaneous resorption of sequestrated intervertebral disc herniation. World Neurosurg. 2012 Jan;77(1):146-52.
 
 10.Iwabuchi M, Murakami K, Ara F, Otani K, Kikuchi S. The predictive factors for  the resorption of a lumbar disc herniation on plain MRI. Fukushima J Med Sci. 2010 Dec;56(2):91-7.
 
  11.Reyentovich A, Abdu WA. Multiple independent, sequential, and spontaneously resolving lumbar intervertebral disc herniations: a case report. Spine (Phila Pa  1976). 2002 Mar 1;27(5):549-53.
 
 12.Cribb GL, Jaffray DC, Cassar-Pullicino VN. Observations on the natural history of massive lumbar disc herniation. J Bone Joint Surg Br. 2007 Jun;89(6):782-4.
 
 13.Zhou G, Dai L, Jiang X, Ma Z, Ping J, Li J, Li X. Effects of human midkine on  spontaneous resorption of herniated intervertebral discs. Int Orthop. 2010 Feb;34(1):103-8. doi: 10.1007/s00264-009-0740-2. Epub 2009 Mar 11.
 
 14.Doita M, Kanatani T, Ozaki T, Matsui N, Kurosaka M, Yoshiya S. Influence of macrophage infiltration of herniated disc tissue on the production of matrix metalloproteinases leading to disc resorption. Spine (Phila Pa 1976). 2001 Jul 15;26(14):1522-7.
 
 15.ItoT,YamadaM,IkutaF,etal.Histologic evidence of absorption of sequestration-type herniated disc. Spine 1996;21:230–4.
 
 16.Fagerlund MK, Thelander U, Friberg S. Size of 
lumbar disc hernias measured using computed tomography and related to sciatic symptoms. Acta Radiol 1990;31(6):555–8.
 
 17.Maigne JY, Rime B, Deligne B. Computed tomographic follow-up study of forty-eight cases of nonoperatively treated lumbar intervertebral disc herniation. Spine (Phila Pa 1976) 1992;17(9):1071–4.
 
 18.Bush K, Cowan N, Katz DE, et al. The natural history of sciatica associated with disc pathology. A prospective study with clinical and independent radiologic follow-up. Spine (Phila Pa 1976) 1992; 17(10):1205–12.
 
 19.Jensen TS, Albert HB, Soerensen JS, et al. Natural course of disc morphology in patients with sciatica: an MRI study using a standardized qualitative classification system. Spine (Phila Pa 1976) 2006;31(14): 1605–12 [discussion: 1613].
 
 19.Autio RA, Karppinen J, Niinimaki J, et al. Determinants of spontaneous resorption of intervertebral disc herniations. Spine (Phila Pa 1976) 2006; 31(11):1247–52.
 
 20.Monument MJ, Salo PT. Spontaneous regression of a lumbar disk herniation. CMAJ 2011;183(7):823.
 
 21.David G, Ciurea AV, Mitrica M, Mohan A. Impact of changes in extracellular matrix in the lumbar degenerative disc. J Med Life. 2011 Aug 15;4(3):269-74.
 
22.Tsarouhas A, Soufla G, Katonis P, Pasku D, Vakis A, Spandidos DA. Transcript levels of major MMPs and ADAMTS-4 in relation to the clinicopathological profile  of patients with lumbar disc herniation. Eur Spine J. 2011 May;20(5):781-90
 
23.Adams MA, Hutton WC. Prolapsed intervertebral disc. A hyperflexion injury 1981 Volvo Award in Basic Science. Spine (Phila Pa 1976). 1982 May-Jun;7(3):184-91.
 
24.Vo NV, Hartman RA, Yurube T, Jacobs LJ, Sowa GA, Kang JD. Expression and regulation of metalloproteinases and their inhibitors in intervertebral disc aging and degeneration. Spine J. 2013 Mar;13(3):331-41.
 
25.Zigouris A, Batistatou A, Alexiou GA, Pachatouridis D, Mihos E, Drosos D, Fotakopoulos G, Doukas M, Voulgaris S, Kyritsis AP. Correlation of matrix metalloproteinases-1 and -3 with patient age and grade of lumbar disc herniation. J Neurosurg Spine. 2011 Feb;14(2):268-72.
 
26.Weiler C, Nerlich AG, Zipperer J, Bachmeier BE, Boos N. 2002 SSE Award Coopetition in Basic Science: expression of major matrix metalloproteinases is associated with intervertebral disc degradation and resorption. Eur Spine J. 2002 Aug;11(4):308-20.
 
27.Bachmeier BE, Nerlich A, Mittermaier N, Weiler C, Lumenta C, Wuertz K, Boos N. Matrix metalloproteinase expression levels suggest distinct enzyme roles during lumbar disc herniation and degeneration. Eur Spine J. 2009 Nov;18(11):1573-86.
 
28.Guterl CC, See EY, Blanquer SB, Pandit A, Ferguson SJ, Benneker LM, Grijpma DW, Sakai D, Eglin D, Alini M, Iatridis JC, Grad S. Challenges and strategies in  the repair of ruptured annulus fibrosus. Eur Cell Mater. 2013 Jan 2;25:1-21. Review.
 
29.Peng BG. Pathophysiology, diagnosis, and treatment of discogenic low back pain. World J Orthop. 2013 Apr 18;4(2):42-52.

 

Deixe uma resposta