Fascite plantar

Fasceíte plantar é um tipo muito comum de tendinite, mas em vez de um tendão é a fascia plantar do pé que é inflamada. A fáscia plantar (aponeurose plantar) é uma folha de tecido conjuntivo que se estende desde o calcanhar até os dedos,no arco do pé. É basicamente causada pela irritação crônica do arco do pé devido a uma tensão excessiva. A fáscia plantar é uma estrutura que sustenta e mantém o alinhamento do arco da pé. A fascíte plantar desenvolve quando ocorre movimentos repetitivos e esta aponeurose irrita e inflama os tecidos conjuntivos ao longo da parte inferior do pé. Altos níveis de tensão estimulam a aponeurose para tentar curar e fortalecer. Se a tensão biomecânica continua, destrói a capacidade do corpo para reparar os ligamentos e começa a falhar. E este processo de reparar torna-se crônico, os sintomas são variáveis e pode eventualmente tornar-se insuportável para alguns pacientes.

Fasceíte plantar geralmente se apresenta como uma dor aguda no calcanhar que se irradia ao longo da parte inferior na parte interna do pé. A dor é geralmente pior quando se levanta da cama pela manhã. A fascite plantar pode ocorrer em corredores e outros atletas saltadores. Outros grupos suscetíveis são as pessoas de meia-idade que ficam muito tempo em pé, tendo relatos em pessoas obesas. Mais raramente, a fáscia torna-se inflamada após um único evento traumático, como em uma aterrizagem errada após um salto. A grande maioria (95 por cento) irá responder aos cuidados conservadores e não necessitara de cirurgia. Para o tratamento adequado é necessário, entretanto, permitir a continuação da participação em esportes e atividades de vida diária evitando danos crônicos.

Nós musculares, tecnicamente conhecidos como pontos de gatilho miofasciais (MTPs), estão presentes em quase todos os casos. Um ponto gatilho é um músculo super-contratado, o tecido muscular é irritado, e pode causar sintomas que vão desde rigidez leve a dor extrema. Eles (MTPs) não só causam dor e os problemas diretamente, mas também se desenvolvem em resposta a outros problemas de biomecânica, em especial como conseqüência do mau alinhamento postural e disfunção postural no equilíbrio dinâmico.

Uma vez que fáscia plantar insere no calcâneo, a inflamação crônica pode puxar e estimular a deposição de cálcio. Este fato pode ser visto em uma radiografia lateral, mas, infelizmente, não há correlação entre a presença de um esporão de calcâneo e fascíte plantar. Muitos esporões de calcâneo são clinicamente silenciosos, e a maioria dos casos de fascíte plantar, não demonstram um esporão calcâneo.

A avaliação biomecânica pode revelar um pé em supinação ou pronação excessiva. O pé hiperpronado sobrecarrega a função de corda da fáscia plantar, enquanto pronado, coloca uma tensão excessiva sobre a aponeurose plantar. Em ambos os casos, é a combinação de uma biomecânica impropria do pé e tensão excessiva, que faz com que o tecido conjuntivo fique inflamado. A avaliação cuidadosa do alinhamento dos membros inferiores é útil, uma vez que muitos pacientes têm desequilíbrios funcionais na cadeia cinética na pelve e coluna vertebral.

Os procedimentos de apoio padrão podem ser: A imobilização, no entanto, não é recomendada. Criomassagem e / ou compressas frias, muitas vezes ajudam a reduzir a dor e inflamação. Outras medidas que podem ser tomadas incluem a ultra-sonografia (inicialmente pulsante, em seguida, constante e direta) tendo abrandado a inflamação, juntamente com o uso da vitamina C com bioflavonóides (que é um anti-inflamatório natural que pode acelerar a cicatrização). Além disso, a massagem de fricção transversa ajuda a estimular o fluxo sanguíneo e deposição de colágeno.

Se os pés estão pronados, recomendam-se palmilhas ortopédicas flexíveis para apoiar o arco e reduzir o estresse sobre a fáscia plantar. Para os casos mais raros dos pés supinados, recomendam-se palmilhas que suportam os arcos e acrescentar material viscoelástico para amortecer o pé e diminuir a quantidade de choque no calcanhar.

Um dos métodos de tratamento mais importante é reduzir qualquer tendência para a pronação excessiva. É necessário uma estabilidade adequada, e o amortecimento deve ser levado em consideração, assim, atletas deverão trocar seus calçados quando eles perderem suas propriedades de amortecimento, ou quando estiverem duros. Um tênis de corrida dura em média 500km, sem perder sua propriedades, quando o usuário faz o uso correto do mesmo segundo os seus fabricantes, sendo relatado que precisam de um descanso em torno de 48horas para o solado voltar em suas condições normais.

1. Souza TA. Differential Diagnosis for the Chiropractor. Gaithersburg, Md.: Aspen Publications, 1997:354.
2. Baxter DE. The heel in sport. Clin Sports Med, 1994; 13:685-93.
3. Huang CK, et al. Biomechanical evaluation of longitudinal arch stability. Foot Ankle, 1993;14:353-7.
4. Lapidus PW, Guidotti FP. Painful heel: report of 323 patients with 364 painful heels. Clin Orthop, 1965;39:178.
5. Subotnick SI. Sports Medicine of the Lower Extremity. New York: Churchill-Livingstone, 1989:237.
6. Lear L. Transverse friction massage. Sports Med Update, 1996;10:18-25.
7. Kibler WB, et al. Functional Rehabilitation of Sports and Musculoskeletal Injuries. Gaithersburg, Md.: Aspen Publishers, 1998:280.
8. MA. Integrated Core Stabilization Training. NASM, Thousand Oaks, Calif., 2001
Foto Marcus Misturini

2 comentários em “Fascite plantar

  1. tenho FP no pé,tenho 24 anos,e tenho os esporões nos dois pés,tendinite,capsulite e artrose e comum?pode se hereditario?

    1. Alguns estudos relatam que a osteoartrose tem um componente hereditário, e a artrose pode começar aos 20 anos,é fundamental estar atento à história familiar do problema para prevenir podendo minimizar ou retardar a sua evolução. fazer exercícios bem orientados é essencial, estes quando bem orientados tornam-se mais importantes que tomar remédios. Aconselho você a procurar um bom fisioterapeuta e iniciar exercícios que melhorem sua função articular e reeduçação neuromotora.

Deixe uma resposta