Estabilidade e disfunção dos movimentos. Parte II

luís Câmara
A perda no controle entre os músculos globais e locais resultam em estresse ou tensão anormal que são impostas nas articulações, nas estruturas dos tecidos moles relacionadas com os tecidos miofascial e neural. O resultado desta disfunção são dores e algumas patologias podem surgir (Cholewicki & Mcgill 1996, Comerford & Mottram 2001a, Panjandi 1992, Sahrmann 2001). Embora a dor e a disfunção possam estar relacionadas, a dor pode resolver, mas, a disfunção muitas vezes persiste ( Hides et al. 1996, Richardson et al. 1999). Isto predispõe no aumento de incidências de casos recorrentes (Hides et al. 2001). Situações clínicas no qual a disfunção do movimento é o fator de maior contribuição para patologias músculo-esqueléticas de origem mecânica incluem: dores posturais, dores de início insidioso, overuse (tensão devidos à forças repetitivas ou impacto elevado por forças repetitivas), dores recorrentes e dores crônicas (Comeford & Mottram 2001a).

As disfunções podem estar presentes de duas formas, em nível articular (ocorre devido aos movimentos anormais de translação) e também em nível miofascial nos movimentos funcionais. Isto resulta em movimentos articulares funcionais e fisiológicos anormais. As disfunções articulares e miofasciais geralmente ocorrem juntas. A incapacidade de controlar dinamicamente translação articular e a disfunção miofascial em um segmento do movimento pode “dar” ou se apresentar como uma combinação de movimentos descontrolados, que normalmente é associado (ou resultado de) “perda” ou restrição de um movimento. A combinação de movimentos descontrolados é definida como sendo a falta de controle muscular em baixos limiares no sistema muscular local ou global. Isto pode estar presente com falta de controle na hipermobilidade, no entanto, freqüentemente se apresenta como sendo uma falta de controle na faixa de normalidade. É importante entender que, embora os movimentos descontrolados sejam mais comums devido a uma compensação por restrição ou uso excessivo dos músculos, também pode estar presente sem qualquer restrição devido a uma trauma extrínseco. Apesar de incomum, uma restrição pode estar presente sem compensação, no entanto, haverá uma certa perda de função.

Foto: Luís Câmara

Um comentário em “Estabilidade e disfunção dos movimentos. Parte II

Deixe uma resposta