Envelhecimento saudável

Alterações na Composição Corporal associadas com Envelhecimento Saudável

Idade

Foto 1. Joyce aos 81 anos.Ela é um verdadeiro exemplo para mostrar os benefícios que a prática regular de Pilates proporciona, em qualquer idade. Nunca é tarde demais para começar … e, certamente, nunca é cedo demais. By http://www.southernpinespilates.com/

Uma das discussões mais eloquentes na área do movimento é sobre as alterações que ocorrem na morfologia humana com o passar dos anos. Não obstante a isso percebemos a cada dia inúmeras pessoas buscando a longevidade dos seus corpos em prol de cada vez menos gordura corporal e cada vez mais aumento da massa muscular. E o mais interessante é que o mundo capitalista ao qual estamos inseridos tem oferecido diversas oportunidades para tal fim.

Diante de todo o exposto precisamos entender que as alterações na composição corporal são ocasionadas por diversos fatores e dentre esses o envelhecimento. Existem conceitos relevantes sobre o risco à saúde associado com a redução da massa corporal livre de gordura com o envelhecimento. Há um consenso acerca de achados em estudos longitudinais, onde esses demonstram que a manutenção da massa corporal de pessoas idosas muitas vezes mascaram as alterações na composição corporal que ocorrem na massa de gordura e nos componentes da massa corporal livre de gordura.

Uma pergunta que nos cerca é sobre essa tendência horizontal em que vários fatores poderiam estar ocasionando (em maior ou menor velocidade) essas alterações, como por exemplo: a prática regular da atividade física e o tipo de atividade física, os hábitos alimentares e além disso os efeitos fisiológicos que ocorrem como processos degenerativos e inalterados ao longo do tempo como a sarcopenia. Diversos estudos já evidenciam que a sarcopenia, que clinicamente, significa redução da função, força e massa músculo esquelética está associada com aumento do risco à saúde de pessoas idosas.

Iremos considerar para fundamentação deste texto um paper recentemente publicado no British Journal of Nutrition em 2011, cujo titulo expressa o tema dessa postagem “Longitudinal Changes in Body Composition Associated with HealthyAgeing: Men, Aged 20 – 96 years”. Este estudo me agradou por ser dentre muitos publicados nessa área do conhecimento um dos poucos estudos desenhados para ser uma coorte prospectiva aberta. Isso significa que um grupo especifico de pessoas (7265 homens saudáveis) foram acompanhadas ao longo do tempo (nesse estudo 31 anos) a partir de um dado momento (inicio – 1971) (coorte prospectiva) e que a entrada e saída de pessoas compondo a amostra do estudo se dava constantemente até o seu encerramento (2006) (aberta).

Tal trabalho foi conduzido pelo “The Aerobics Center Longitudinal Study (ACLS). Essa coorte consistia de homens do gênero masculino, todos saudáveis e que completaram um teste de esforço máximo, assim como, tiveram seus componentes da composição corporal mensurados. Foram abordados 4 objetivos, sendo que iremos nos deter aos tópicos 1 e 3:

1 – Definir as alterações longitudinais na massa corporal (MC) e dos componentes da composição corporal, sendo esses a massa de gordura (MG) e a massa corporal livre de gordura (MCLG);

2 – Modelar as mudanças longitudinais na porcentagem de gordura corporal (%G) e do Índice de Massa Corporal (IMC), com o envelhecimento;

3- Definir o papel independente do exercício aeróbico na composição corporal;

4 – Definir a fidelidade do IMC e %G para avaliar mudanças na MG e MCLG associadas com o envelhecimento.

Para facilitar as observações como fruto das análises descritivas as idades foram estratificadas inicialmente em 5 categorias: < 40 anos, 40 – 49 anos, 50 – 59 anos, 60 – 69 anos e ≥ 70 anos. Em relação ao %G e a MG observou-se aumento entre todas as faixas etárias, variando de 18,1% < 40 anos até 22,1% ≥ 70 anos . A MC aumentou com o envelhecimento e estabilizou até os 69 anos e diminuiu com uma taxa não linear com o envelhecimento.

A MG aumentou com o envelhecimento, estabilizou e depois diminuiu levemente (0,25 kg) na oitava década de vida. A MCLG aumentou levemente dos 20 aos 47 anos e depois diminuiu. Esta diminuiu para 0,42 kg na quinta década de vida e ficou mais acentuada essa redução na oitava década com 1,96 kg. Em relação ao exercício aeróbico a amostra foi estratificada de acordo com o Indice de Atividade Física (PAI), com níveis variando de 0 até 4, indicando 0 = sedentário e 4 = caminhada ou corrida ≥ 20 milhas/sem.

Após ajuste para idade cada aumento no PAI foi acompanhada de maior redução na massa corporal. Também observou-se que os homens ativos (PAI ≥ 3) tiveram menor MCLG do que homens inativos, porém a diferença foi pequena. A MCLG entre os homens ativos no PAI 3 e 4 foi 0,16kg e 0,26kg menores, respectivamente, quando comparados aos homens menos ativos (PAI ≤ 2).

Estes achados longitudinais nos mostram que ocorrem alterações significativas na composição corporal associadas com o envelhecimento saudável, porém as trajetórias dessas alterações diferem. Também nos levam a imaginar que o exercício aeróbio não previne a redução da MCLG, contudo não podemos esquecer dos seus claros benefícios ao sistema cardiovascular.

 
É importante que profissionais da área clinica sejam eles Educadores Físicos, Médicos, Nutricionistas e Fisioterapeutas, ou até mesmo todos aqueles envolvidos no trabalho com idosos estimulem a participação desse publico em programas de exercícios resistidos. Essa adesão poderia influenciar uma menor redução da MCLG o que consequentemente resultaria em maior taxa metabólica basal, manutenção da força muscular além de maior autonomia para a execução das atividades da vida diária.

 

By Clarcson Plácido

pilatesIdoso

foto: Taos News Lifestyles Health and Fitness: Seniors benefit from yoga and Pilates

 

senior

 

aa49mini

Alvaro Alaor   SHIS QI 13, Bloco E, salas 13/14, Lago Sul, Brasília. Fone: 9385-3838


Deixe uma resposta