Dor nas costas. Por que minha dor volta?

Man with enhanced spinal column, rear view (Digital Composite)

Sentir dor nas costas é condição humana muito comum e  recorrente que pode incorrer em diversos encargos, incluindo economicamente. Normalmente os lugares mais acometidos são na região tóraco-lombar, na lombar, ou na  lombosacral.  Alguns tratamentos podem aliviar a dor, mas, a dor pode reaparecer na vida diária da pessoa . Em geral, 90% dos pacientes com dor lombar aguda voltam ao trabalho; no entanto,  tem sido relatado nos estudos que os sintomas e limitações funcionais se repetem em muitos casos. Poderíamos nos perguntar, qual motivo depois fazer todo tratamento a dor voltar novamente?  Vamos tentar achar as razões através de estudos analisando as partes mecânicas, porque a parte emocional não pode ser esquecida segundo conclusão dos últimos congressos internacionais de LOW BACK PAIN.

 

Embora o movimento nas  articulações entre as vértebras sejam muito pequenos, eles existem, e devem ser trabalhados e a função global da coluna depende estes pequenos movimentos. Quando temos uma diminuição de movimento entre uma vertebra e outra  a atividade muscular nesta articulação também vai diminuir juntamente com uma redução do desempenho do músculo multífidus. É Importante lembrar que cada parte de nossa coluna vertebral possui mobilidade diferente, mas ela deveria existir de forma equilibrada em toda a coluna. O que isso quer dizer? A coluna torácica por exemplo tem menos mobilidade que a cervical, porque além de todas as vertebras da torácica estarem conectadas com par de costelas que se ligam no esterno (bloqueando mais o movimento), a função nessa região do tórax é de  proteger as vísceras fundamentais para nossa sobrevivência formando uma arcabouço mais rígido.  Já a cervical por exemplo não tem que proteger vísceras vitais à vida, mas tem levar liberdade para cabeça para que possamos explorar o ambiente com nossos olhos, mas mesmo esta mobilidade maior também precisa de controle e estabilidade.

 

A consequência de perdemos mobilidade ocasiona efeitos em cascata. Vejamos, músculos multífidus inibidos ocasionam excesso de ativação para outros músculos, tais como os eretores da coluna, reto do abdômen, e abdominal oblíquo que irão compensar a apoiar a estabilidade da coluna. Este tipo de compensação é uma das causas de da dor ou a volta da dor.

 

Isso acontece porque o músculo reto do abdômen, eretores da coluna não são músculos que tem função de estabilizar o corpo, e naturalmente quando eles começam a compensar a ausência de estabilizadores eles desempenham funções das quais eles não estão preparados. Como assim? Simplesmente, a ausência de estabilizadores faz com que movamos sem coordenação,  de uma forma desequilibrada, isso é uma resposta do cérebro ao evento de dor que desliga ainda mais os estabilizadores e ativa mais os motores no sentido de nos proteger, tirar o movimento de onde existe uma lesão, isso vai virando um ciclo e continuamos a mover sem estabilidade, e novamente, ficar mais rígido com menos mobilidade nas articulações e utilizando músculos que não possuem a função de estabilizar para estabilizar nosso corpo.  O que temos a fazer é despertar novamente os músculos estabilizadores, religar estes músculos na tomada, são eles que estabilizam (mantém as articulações, stifiness) no lugar para que os nossos movimentos ocorram de forma equilibrada.

Estudos dizem que uma das principais causa para termos uma lesão é a fraqueza muscular nos tecidos moles do tronco; isto ocorre particularmente quando o recrutamento de músculos do núcleo (core) desempenham um papel na estabilização da região lombar muito fraco. Com relação a isso, Cooper et al. descreveu que a atrofia nos músculos lombares profundas foi agravada com dor lombar crônica.  Exatamente o efeito cíclico descrito mais acima.

Os resultados destes estudos mostram que o desenvolvimento equilibrado dos músculos do núcleo é uma chave para a prevenção da dor lombar. Por esta razão, a tendência atual na reabilitação e nos pós rehab  tem ocorrido uma mudança na forma de se dar os exercícios, com objetivo primeiro de  eliminar a dor pela restrição do movimento pela melhora o equilíbrio muscular, com exercícios que aumentam a estabilidade, core control, nesse sentido, o conceito de fortalecer e alongar tem caído por terra.

Recentemente, o conceito de controle do motor foi integrado a estabilidade do núcleo. O objetivo é encorajar o paciente a controlar seu próprio movimento muscular, conscientizando o paciente de seu próprio movimento muscular para melhorar performance musculare. Mobilização ou técnicas manipulação em conjunto para articulações vertebrais também têm sido amplamente utilizados para tratar desequilíbrio. No entanto, exercícios de estabilidade do núcleo tem algumas limitações. Quando um paciente não é capaz de manter-se estável devido ao desvio lombar extremo ou desequilíbrio muscular extremo, também será necessário pré-tratamento.

low back pain2

Resumindo 

O objetivo dos tratamentos tradicionais para a dor lombar é permitir o retorno as atividades funcionais da vida diária através do fortalecimento e alongamento dos músculos.No entanto, exercícios de força muscular podem realmente aumentar o risco de dor lombar eco risco pode ser aumentado em particular para exercícios incluindo flexão completa ou torção repetitiva da coluna vertebral. Também o repouso muitas vezes recomendado, ficando o paciente tomando apenas medicação não ocasionou melhoras muito duradouras. Esses fatos levou aos pesquisadores questionamentos e há uma mudança na forma de tratar estes pacientes. Assim, nos últimos anos cresceram o interesse dos trabalhos com CORE STABILIZATION.

O sistema de estabilidade global refere-se aos maiores músculos superficiais em torno das articulação, tais como o reto abdominal, paravertebrais, paraespinhais, oblíquo externo, e os músculos quadrado lombar. O sistema de estabilidade local refere-se aos músculos intrínsecos profundos da parede abdominal, como o transverso abdominal, multifidus, oblíquo interno, e os músculos do assoalho pélvico. Estes músculos são associados com a estabilidade segmentar da coluna lombar durante os movimentos do corpo inteiro ou mesmo quando algum evento bruto acontece em nosso corpo que são necessários ajustes posturais. Ja escrevemos sobre isso.

Vários resultados do estudo mostram que o exercício estabilidade do núcleo é mais eficaz do que o exercício força e resistência. No entanto,  é preciso treinar a estabilidade do núcleo d considerando o efeito de sinergia dos dois sistemas recentemente o sistema muscular supercial e profundo.

Referencia

  1.   Fordyce WE, Brockway JA, Bergman JA, et al.: Acute back pain: a control- group comparison of behavioral vs traditional management methods. J Be- hav Med, 1986, 9: 127–140. [Medline] [CrossRef]
  2.  Ehrlich GE: Back pain. J Rheumatol Suppl, 2003, 67: 26–31. [Medline]
  3.   Graves JE, Pollock ML, Foster D, et al.: Effect of training frequency and specificity on isometric lumbar extension strength. Spine, 1990, 15: 504–[Medline] [CrossRef]
  4.   Arokoski JP, Valta T, Kankaanpää M, et al.: Activation of lumbar para-spinal and abdominal muscles during therapeutic exercises in chronic low back pain patients. Arch Phys Med Rehabil, 2004, 85: 823–832. [Medline] [CrossRef ]
  1.  Newcomer KL, Jacobson TD, Gabriel DA, et al.: Muscle activation pat- terns in subjects with and without low back pain. Arch Phys Med Rehabil, 2002, 83: 816–821. [Medline] [CrossRef]
  2.   Cooper RG, St Clair Forbes W, Jayson MI: Radiographic demonstration of paraspinal muscle wasting in patients with chronic low back pain. Br J Rheumatol, 1992, 31: 389–394. [Medline] [CrossRef]
  3.  Danneels LA, Vanderstraeten GG, Cambier DC, et al.: Effects of three dif- ferent training modalities on the cross sectional area of the lumbar multifi- dus muscle in patients with chronic low back pain. Br J Sports Med, 2001, 35: 186–191. [Medline] [CrossRef]
  4.  Kader DF, Wardlaw D, Smith FW: Correlation between the MRI changes in the lumbar multifidus muscles and leg pain. Clin Radiol, 2000, 55: 145– 149. [Medline] [CrossRef]
  5.   Hodges PW, Richardson CA: Delayed postural contraction of transversus abdominis in low back pain associated with movement of the lower limb. J Spinal Disord, 1998, 11: 46–56. [Medline] [CrossRef]
  6.  Klaber Moffett J, Frost H: Back to fitness programme. The manual for physiotherapists to set up the classes. Physiotherapy, 2000, 86: 295–305. [CrossRef ]
  7.  Akuthota V, Ferreiro A, Moore T, et al.: Core stability exercise principles. Curr Sports Med Rep, 2008, 7: 39–44. [Medline] [CrossRef]
  8.   Teyhen DS, Miltenberger CE, Deiters HM, et al.: The use of ultrasound imaging of the abdominal drawing-in maneuver in subjects with low back pain. J Orthop Sports Phys Ther, 2005, 35: 346–355. [Medline] [CrossRef]
  9.  Maitland G, Hengeveld E, Banks K, et al.: Maitland’s vertebral manipula- tion. Oxford: Butterworth Heinemann, 2001.

14) Lee MG, Hwang JS, Seo BD, et al.: The effects of the core muscle release technique on scoliosis. J Phys Ther Sci, 2013, 25: 445–448. [CrossRef]

15) Ferreira ML, Ferreira PH, Latimer J, et al.: Comparison of general exer- cise, motor control exercise and spinal manipulative therapy for chron- ic low back pain: a randomized trial. Pain, 2007, 131: 31–37. [Medline] [CrossRef ]

16) Farfan HF, Cossette JW, Robertson GH, et al.: The effects of torsion on the lumbar intervertebral joints: the role of torsion in the production of disc degeneration. J Bone Joint Surg Am, 1970, 52: 468–497. [Medline]

17) Marshall PW, Murphy BA: Core stability exercises on and off a Swiss ball. Arch Phys Med Rehabil, 2005, 86: 242–249. [Medline] [CrossRef]

18) McGill SM: Low back stability: from formal description to issues for per- formance and rehabilitation. Exerc Sport Sci Rev, 2001, 29: 26–31. [Med- line] [CrossRef]

19) Behm DG, Anderson K, Curnew RS: Muscle force and activation under stable and unstable conditions. J Strength Cond Res, 2002, 16: 416–422. [Medline]

20) Fredericson M, Moore T: Muscular balance, core stability, and injury pre- vention for middle- and long-distance runners. Phys Med Rehabil Clin N Am, 2005, 16: 669–689. [Medline] [CrossRef]

21) Koumantakis GA, Watson PJ, Oldham JA: Supplementation of general en- durance exercise with stabilisation training versus general exercise only. Physiological and functional outcomes of a randomised controlled trial of patients with recurrent low back pain. Clin Biomech (Bristol, Avon), 2005, 20: 474–482. [Medline] [CrossRef]

22) Akuthota V, Nadler SF: Core strengthening. Arch Phys Med Rehabil, 2004, 85: S86–S92. [Medline] [CrossRef]

23) Richardson CA, Jull GA: Muscle control-pain control. What exercises would you prescribe? Man Ther, 1995, 1: 2–10. [Medline] [CrossRef]
24) Sapsford R: Explanation of medical terminology. Neurourol Urodyn,2000, 19: 633. [Medline] [CrossRef]
25) O’Sullivan PB, Beales DJ, Beetham JA, et al.: Altered motor control strat-egies in subjects with sacroiliac joint pain during the active straight-leg-raise test. Spine, 2002, 27: E1–E8. [Medline] [CrossRef]
26) McGill SM, Sharratt MT, Seguin JP: Loads on spinal tissues during si- multaneous lifting and ventilatory challenge. Ergonomics, 1995, 38: 1772–[Medline] [CrossRef]
27) Hodges P, Richardson C, Jull G: Evaluation of the relationship between laboratory and clinical tests of transversus abdominis function. Physiother Res Int, 1996, 1: 30–

 

Deixe uma resposta