Core Training: considerações sobre os exercícios flexão coluna lombar.

 

a1a2

Na atualidade não é incomum ouvir relatos de pessoas que passaram por dores na coluna vertebral. Independente da profissão, se sedentário ou atleta sempre ouvimos alguém que se queixa de dor. Até oitenta e cinco por cento da população (1) irá experimentar algum tipo de dor lombar em algum momento em suas vidas. Em resposta a esta condição potencialmente debilitante, a ligação entre dor lombar e Core training (PowerHouse) tem sido muito estudado. Numerosas investigações têm demonstrado que vários regimes de treinamento núcleo (Core Training) podem ajudar a atenuar a dor lombar crônica. (2-4).

O treino do Core ideal para o tratamento da dor lombar está fora do escopo deste post. (5) Em vez disso, este post vai servir como uma breve lembrete para considerar algumas preocupações associadas com exercícios de flexão da coluna vertebral repetidas (ex. abdominais e flexões) realizadas para treinar o core, ou mesmo na reabilitação de pessoas com lesões

Muitas pessoas ainda consideram os exercícios de flexão da coluna vertebral como um modo principal para treinar e fortalecer o Core. Dr. Stuart McGill, em particular, destacou as duas principais preocupações com estes exercícios, especialmente se forem feitos para o tratamento ou prevenção da dor lombar. Uma preocupação é anatômica, outra é funcional.

Primeiro, os dados demonstraram que, ao contrário de compressão da coluna vertebral, a flexão repetida da coluna contribui de forma consistente para a deterioração dos discos intervertebrais e aumenta o risco de hérnia de disco. (6-7) Além disso, a execução de plenos abdominais agrava este problema, colocando um grande força de compressão na coluna lombar na sua posição de flexão (8-9).

De um ponto de vista funcional, tais exercícios enfatizam a produção de energia dos músculos abdominais para iniciarem o movimento. No entanto, na maioria das situações diárias e na maioria dos casos, de desporto, a musculatura do core prepara e transmite a força produzida pelo quadril, pernas e braços. (10-11)

Por estas razões, pode ser sábio substituir exercícios que enfatizam a flexão da coluna vertebral por aqueles em que o CORE resiste ao movimento através da contração de toda a musculatura do abdômen. (12)

Este não é um chamado para abandonar completamente exercícios de flexão da coluna vertebral, mas simplesmente um lembrete de um como fazer, decisões baseadas em evidências sábias a respeito do treino do Core para a dor lombar. Dada a popularidade destes exercícios, a compreensão das preocupações acima pode ajudar a informar a prática e melhorar os resultados dos pacientes.

Alvaro Alaor

Alvaro Alaor Pilates, SHIS QI 13 Bloco E salas 13/14, Lago Sul, Brasília. Fones: 61- 9383-3838

 

 


Referências

1 Press J, Dvorak J. Low back pain. In Brukner P, Bahr R, Blair S, et al. eds. Brukner & Khan’s Clinical Sports Medicine. McGraw Hill 2012. 463–91.

2 Saal JS, Saal JA, Yurth EF. Nonoperative Management of Herniated Cervical Intervertebral Disc With Radiculopathy. Spine 1996;21:1877–83.

3 Manniche C, Lundberg E, Christensen I, et al. Intensive dynamic back exercises for chronic low back pain: a clinical trial. Pain 1991;47:53–63.

4 O’Sullivan PB, Phyty NDM, Twomey LT, et al. Evaluation of Specific Stabilizing Exercise in the Treatment of Chronic Low Back Pain With Radiologic Diagnosis of Spondylolysis or Spondylolisthesis. Spine 1997;22:2959–67.

5 McGill S. Low back disorders: evidenced-based prevention and rehabilitation. 2nd ed. Champaign, IL: : Human Kinetics 2007.

6 Callaghan JP, McGill SM. Intervertebral disc herniation: studies on a porcine model exposed to highly repetitive flexion/extension motion with compressive force. Clin Biomech 2001;16:28–37.

7 Tampier C, Drake JDM, Callaghan JP, et al. Progressive Disc Herniation. Spine 2007;32:2869–74.

8 McGill SM. The mechanics of torso flexion: situps and standing dynamic flexion manoeuvres. Clin Biomech 1995;10:184–92.

9 Juker D, McGill SM, Kropf P, et al. Quantitative intramuscular myoelectric activity of lumbar portions of psoas and the abdominal wall during a wide variety of tasks. Med Amp Sci Sports Amp Exerc 1998;30:301–10.

10 McGill S. Core Training: Evidence Translating to Better Performance and Injury Prevention. Strength Cond J 2010;32.

11 McGill S. Ultimate back fitness and performance. Backfitpro Inc 2009.

12 McGill SM. Low Back Exercises: Evidence for Improving Exercise Regimens. Phys Ther 1998;78:754–65.

Deixe uma resposta