Conexão mente e corpo é via de mão dupla

 

exercise-your-body

Nós normalmente pensamos que nossa mente está no controle e dizendo ao nosso corpo o que ele devemos fazer. Mas há muita evidência científica que mostra a conversa entre a mente e o corpo se passa das duas maneiras, é uma via de mão dupla, e o corpo é uma parte integrante da forma como pensamos. No novo livro Como o corpo sabe de sua Mente, a Prof. Sian Beilock oferece a mais recente evidência científica sobre a influência do corpo em nossa psique, com base em pesquisas no seu próprio laboratório e de colegas de todo o mundo.

Nós que realmente trabalhamos atividades que envolvem corpo e mente ja sabíamos disso. A ciência agora vem ratificar. Ja existem vários trabalhos de escolas que adotam trabalho de atividade física como Pilates. Conheço um no Reino Unido que envolve um trabalho com adultos e criança, este é feito com exercícios e reflexos neurológicos através disso resolvem bloqueios e problemas bio-psiquico-sociais de seus clientes.

Entender que o corpo é a porta de entrada para o cérebro explorar o mundo e agora comprovadamente melhorar  a psique e intelecto e algo que nos faz pensar que sentar diante de livros é parte de uma aprendizagem mas não é tudo. E realmente eu somente consigo entender, fixar aquilo que eu pratico. Quanto já não ouvi por aí, eu sou fisioterapeuta não preciso saber fazer exercícios, e eu sempre dizendo você somente pode aplicar aquilo que você sente vivencia, experimenta e aprende.

exercise mind-body2

Beilock, um das maiores especialistas na ciência do cérebro por trás do desempenho humano, acredita que a conexão corpo-mente começa cedo.

“Movimento é importante para todos, mas é especialmente importante para os bebês e as crianças pequenas”, disse Beilock. “Crianças que se movimentam mais atingem marcos cognitivos mais rápido.”Ela disse que medidas simples, como permitir que os bebês  andem nu, quando for o caso, pode ajudá-los a explorar os seus mundos. Beilock disse que vestindo fraldas e usar de andadores podem limitar a capacidade de um bebê de interagir com o mundo e dificultar o processo de aprender a andar. As crianças que mais rapidamente aprendem a andar e explorar as coisas ao seu redor , também desenvolvem mais rapidamente o seu cognitivo.

Incorporar a atividade física em mais disciplinas escolares pode ajudar as crianças a aprender e melhorar o desempenho na escola, de acordo com Beilock.

“Nós não podemos apenas manter os estudantes confinados a suas cadeiras, nós temos que estimula-los, colocar eles para se movimentarem”, disse Beilock. “Quando os assuntos são matemática ou física, os alunos deveriam realmente experimentar fisicamente alguns dos conceitos que estão sendo ensinados estas mudanças podem levar um a um melhor desempenho e assimilação da informação pelo cérebro.”

Movimento também ajuda a explicar a conexão entre música e matemática. Por que as crianças tendem a se destacar em ambos? É porque as áreas do cérebro que controlam a destreza dos dedos e números se sobrepõem em grande parte. Beilock relata sua recente pesquisa mostrando que quando as crianças exercitam seus dedos no piano regularmente, sua compreensão de números melhora.

Exercício pode ajudar a saúde mental, bem como o desempenho acadêmico , de acordo com Beilock. “A pesquisa mostra que pôr as crianças em movimento é importante não só para o seu bem-estar físico, mas para o seu bem-estar mental, também.” 

Os exercícios são importantes mas principalmente aqueles que não seguem um padrão, uma ficha, onde você automatiza os mesmos exercícios por meses. Isso não é explorar seu corpo é domesticar. Nós seres humanos somos seres de hábitos e sempre tenderemos a fazer as coisas da forma mais fácil e que nos levará a menos gasto de energia. Isso muitas vezes nos leva a uma gestual pobre de movimento, nos atravanca, limita e como percebemos nos fecha também psicologicamente e neurologicamente. Exercícios que exploram o corpo como um todo, que não se limitam, que explorem o ambiente, a cinestesia, que variam os estímulos dia após dia são o caminho para uma longevidade saudavel

O exercício é igualmente importante para os adultos mais velhos, pois pode promover o envelhecimento saudável mental e fisicamente. “Há diferenças claras na saúde do cérebro de pessoas que se exercitam em comparação com os seus homólogos mais sedentários “, disse Beilock. “E essas diferenças trazem conseqüências para o pensamento e o raciocínio, bem como para a memória.” Beilock salientou que o exercício pode alterar a estrutura e funcionamento do cérebro, e isso é a chave para melhorar a saúde mental . Atividades como nadar, correr, andar de bicicleta, caminhar rapidamente, Pilates, Yoga  ou até mesmo fazer as tarefas domésticas em um ritmo vigoroso podem beneficiar o cérebro, além de manter o corpo em forma.

Algumas sugestões para melhorar a conexão corpo-mente:

  • Faça pausas ativas no trabalho ou diante de problemas inquietantes para dar ao seu cérebro a chance de se reagrupar e reiniciar. Fisicamente ande, afaste do local de trabalho ou do ambiente do problema por alguns minutos pode ajudá-lo a resolvê-lo.
  • Postura e expressões do seu corpo não são apenas reflexos de sua mente, eles podem influenciar o seu humor. Fique em pé para ajudar a dar-se a confiança e para enviar um sinal para aqueles ao seu redor que você tem a solução ou esta confiante e próximo da mesma. Seja consciente de suas expressões faciais. Seu cérebro usa suas expressões como dicas para sentir emoções. Sorrir pode realmente fazer você se sentir mais feliz.
  • Passe algum tempo na natureza faça isso a maior frequência que puder, e encontre tempo para meditar. A ciência mostra que um passeio no bosque rejuvenesce a mente e melhora a nossa capacidade de prestar atenção e se concentrar. Meditação, mesmo por alguns minutos por dia pode ajudar a aliviar a ansiedade e dor crônica.Ela também pode ajudar com a auto-controle que pode ser útil para o trabalho de quebrar maus hábitos, como o tabagismo. Além de ser uma das melhores maneiras de acalmar a mente e possibilitar um auto conhecimento.

“Pequenas coisas que fazemos podem ter um grande efeito”, disse Beilock. “A idéia do livro é que se possa compreender a ciência por trás de como o corpo afeta o cérebro , nos colocando com o “pé direito”, na dianteira e no controle  nos momentos que mais precisarmos. “

texto: Alvaro Alaor

aa49mini

 

SHIS QI 13, Bloco E, salas 13/14, Lago Sul, Brasília. Fone: 9385-3838

 

Fonte

http://medicalxpress.com/news/2015-01-sharpens-young-adult-brain.html#nRlv

Universidade de Chicago http://www.uchicago.edu/

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta