Atletas olímpicos e Pilates 1. Misty May e Walsh

Pilates não é um esporte olímpico oficial (pelo menos ainda não) mas existe uma abundância de praticantes em Londres, nos jogos olímpicos. Atletas em uma ampla gama de esportes da ginástica à natação, vôlei de praia, ciclismo de pista e campo incluem o Pilates como parte integral de seus treinos. E eles creditam que o Pilates os tornam mais rápidos, mais fortes e mais flexíveis, bem como ajudando a aumentar a sua consciência corporal e melhorando seu desempenho global. Eles também acreditam que ele vai dar-lhes uma chance maior de conseguir um lugar no pódio.

Esta será uma serie que falaremos dos atletas que incorporaram o Pilates em seus treinos e o que eles falam do método. Nesta primeira parte falaremos da dupla Misty May e Kerry Walsh.

Misty May e Kerry Walsh estão atrás da terceira medalha de ouro olímpica em Londres. Existem motivos especiais que as motivam ainda mais nesta busca, como mostra uma entrevista dada por Walsh ao USA TODAY já em Londres. Estas campeas do vôlei de praia colocaram em suas rotinas de treino a pratica do Pilates, e atribuem muito de seu preparo na busca da medalha ao método. Uma declaração de Walsh de como ela se sente ao ser chamada de veterana, de sua maternidade e da alegria e jogar tendo seus filhos assistindo. Muito legal Walsh declara sua disposição para jogar nas Olímpiadas do Rio.

Misty May 

Misty May teve seu primeiro contato com o Pilates em 2006, “Eu tinha duas lesões abdominais. Elas tinham curado e eu me sentia bem, mas eu ouvi que Pilates fortalecia o CORE, então eu pensei, vou dar uma conferida.” Mas, o Pilates foi muito mais difícil do que ela pensava que seria. “Um monte de instrutores de Pilates eu sei riem dos atletas, pois eles não podem fazer um abdominal normal porque estão acostumados a usarem de momentum para fazerem os abdominais”disse May. A instrutora de Misty programou sessões montadas especialmente para o esporte de Misty. “O que foi muito legal, assim que entrei em contato com Richter minha instrutora, ela me olhou de cima e assistiu meus vídeos e realmente baseado no vôlei montou minhas sessões”. May definitivamente acredita que o Pilates melhorou seu jogo. “Eu realmente sinto minhas rotações. Eu sinto que posso me segurar melhor e com mais ar”, ela disse. Aprendi a segurar tudo encaixado, então quando eu vou à minha direita, tudo vai para a minha direita. E isso me ajuda a fazer todos os movimentos de uma maneira mais eficiente.”

Fato que surpreendeu no Pilates “Minha primeira vez no Cadillac, minha professora me mostrou o que iria executar,  segurou a barra torre e e vamos ver como você faz um roll-up. Eu estava tremendo, era tão difícil.”

Uma paixão no método.  Mesmo que você esteja pensando que você está apenas trabalhando os seus abdominais, eu também tenho de trabalhar muito no meu ombro e meus quadris e glúteos.

Uma típica sessão de Pilates. Inclui jumpboard, movimentos em pé com rotação.

O seu treino global, existe alguma coisa que uma pessoa normal pode aprender com ele? Você ficaria surpreso. Acho que as pessoas pensam que fazemos uma quantidade enorme de exercícios que são completamente diferentes do que a população em geral pode fazer. Não é verdade. Eu acho que os atletas, em geral, tem que ser um pouco mais disciplinados em seus programas. Eu faço Pilates. Yoga é importante. Agachamentos para mim são importantes.

Por que você prefere pesos livres à máquinas? Máquinas não são adaptadas para o corpo de todo mundo. Você é capaz de mover-se em apenas em um plano. Atletas Olímpicos são explosivos, e movemos em vários planos de movimento. Minhas pernas tem que ser forte. Se eu tenho um lado mais curto, então, eu tenho que me certificar de que posso saltar com as meninas em altura. Minhas pernas tem que ser forte, porque eu estou correndo na areia. Manter os ombros fortes e manter núcleo forte é muito importante. Estamos no ar por muito tempo, e nós temos que ser capazes de controlar nosso corpo.

Quanto tempo você gasta em treinamento com pesos? Dirijo-me da praia para a sala de musculação. Eu costumava passar algumas horas na sala de musculação, mas na verdade uma hora é tempo suficiente. Eu realizo duas vezes por semana, e nos outros dias incorporo yoga mais diferentes exercícios para o core. É importante ouvir o seu corpo. Eu paro o treino se eu estou cansada. Antes, havia vezes que eu passava do ponto. Mas não há nada de errado em dizer: “Eu estou cansado.”

Então essa é uma nova mentalidade para você? Agora que estou mais velha, o descanso é importante para mim. Eu tenho 34 anos. Eu me sinto jovem, mas meu corpo sente os anos.Você olha para trás e pensa: “Eu venho fazendo isso por um tempo.” Meus joelhos vão ficar dolorido. Se meus joelhos estão doendo, eu alivio a carga, mas isso passa por toda uma gama de movimento.

Que erros você acha que as pessoas costumam fazer em seus treinos? É tão importante trabalhar com os grupos musculares pequenos, bem como os grandes grupos musculares. As pessoas, quando treinam, realizam seus exercícios na academia. Eu os chamo de corpos Discoteca – enormes em cima, e as pernas são pequenos paus. Você vê um monte de gente que esquece de trabalhar os pequenos grupos musculares. Quando os grupos musculares maiores fadigam, se você não estiver forte nos pequenos grupos musculares, este é o momento em que ocorrem lesões.

Kerri Walsh 

Desde os Jogos Olímpicos de Pequim 2008, Walsh e seu marido Casey Jennings tiveram dois filhos, Joseph e Sundance. Isso ocasionou muitas mudanças domésticas – menos sono sendo um grande problema – assim como uma mudança em sua perspectiva.

A maternidade também levou Walsh a rever sua estratégia de treino. Walsh tinha incluído Pilates em seu regime de treino cerca de cinco anos antes de engravidar. Então ela decidiu intensificar. “Alguma coisa estava faltando”, diz ela. “Eu estava sentindo uma desconexão. Eu senti como se tivesse batido um platô no treino de levantar pesos, e os meus movimentos não os sentia muito eficientes. Pilates me deu uma consciência corporal tão grande. Quando fiquei grávida, eu realmente entrei no Pilates, porque eu queria corrigir todas as minhas assimetrias e deficiências e de lá ir. Eu tenho um novo corpo por causa disso. ”

Walsh, após cada gravidez, descobriu que seu trabalho com Pilates foi traduzido em resultados nas competições. “Sou um grande crente na mesma”, diz Walsh. “Se você tem um núcleo forte, você pode fazer qualquer coisa. Você é mais rápido, você é mais forte, você salta mais alto. É a sua fundação.”Walsh dobrou suas sessões de Pilates. Mas ela diz que o Pilates é mais do que apenas o que ela faz durante cada sessão de uma hora. “Mesmo quando eu não estou fazendo Pilates, quando eu estou fazendo musculação, cardio ou circuitos, eu ainda estou implementando as aulas de Pilates que eu aprendi e faço as coisas do jeito certo agora”, diz ela.Cada sessão é um pouco diferente, baseado em como seu corpo está sentindo. Às vezes, é dedicada à recuperação e flexibilidade enquanto outras sessões concentram na construção de resistência e força. “É muito legal, você pode fazer muito com Pilates”, diz ela.

Talvez essa variedade constante é o motivo pelo qual Walsh tem dificuldade em distinguir um aspecto do Pilates, que foi particularmente útil durante as gestações. “Eu não consigo pensar em um que eu poderia colocar por cima do outro”, diz ela. “Eu só acho que a mentalidade inteira do Pilates é enorme. Pilates não é apenas para usar o seu núcleo no caminho certo. Muitos de nós não usamos todos os músculos. Todos nós usamos os grandes músculos do nosso corpo e não nos concentramos sobre os pequeninos, minha mentalidade e consciência é enorme eu levo isso comigo para onde eu vou. Então eu não posso lhe dar apenas um -…. todos eles são maravilhosos ”

Fato que a surpreendeu no PilatesEm sua primeira sessão saiu pensando: “Eu sou tão ignorante e eu estou tão ineficiente em como eu uso meu corpo. Há muito mais potência e força dentro de mim.”

 

Em Londres


Kerri Walsh diz que ela nunca vai se aposentar. Aos 33 anos duas com duas medalhas olímpica de ouro no vôlei de praia, agora é mãe de dois filhos, nascidos depois de Pequim, mas enquanto sua parceira Misty May-Treanor diz que ela fará depois de Londres, Walsh quer competir no Rio em 2016. E por que não? Ela vive a vida e usa a linguagem de uma pessoa muito mais jovem, falando de seu biquíni Oakley. Mas existem coisas a serem feitas antes. Ela deseja a medalha de ouro para selar o final de sua parceria com Misty May.

“Eu quero mais agora como uma veterana, eu realmente quero”, disse ela esta semana em uma entrevista perto do Parque Olímpico . “As pessoas estão nos chamando de veteranas e as pessoas estão questionando nossa idade e nossas habilidades, o que me deixa louca. Quando eramos jovens, as pessoas achavam que nós não mereceríamos porque nós éramos muito jovens, e agora que estamos mais velhas, eu realmente não entendo. Se você tem o desejo e se você tiver a capacidade, então você vai lá e faz, e este ano é o nosso último torneio juntas e eu quero sair por cima, e isso significa muito. Este ano com certeza é para nós. ”

Ela está emocionada seus dois filhos, 2 e 3 anos, vão ver seus jogos nas Olimpíadas pela primeira vez. Espero que eles me vejam no Rio também. Eu quero que eles nos vejam ganhar uma medalha de ouro aqui em primeiro lugar.” É o meu trabalho e eu vivo minha vida em um biquíni Oakley e eu preciso me sentir bem comigo mesmo nesse biquíni. É algo que eu ter muitoorgulho. Eu trabalhei muito duro durante a minha gravidez e que me ajudou a recuperar. E eu tenho genes muito bons. Com Joey, meu primeiro, eu voltei muito rapidamente. Com Sundance, meu segundo, Eu segurei (o peso extra) um pouco mais, e desde então, senti que estava diferente. Estou carregando o peso em diferentes áreas: meus quadris certamente mudaram e meu peito caiu – não que eu tinha muito. É que meu corpo é diferente, mas o que é uma coisa bonita, porque me permitiu dar à luz a dois lindos anjos.

Eu estou tão animada, eles sabem mamãe joga vôlei de praia, e papai também, e temos que usar protetor solar e cuidar de nossos corpos e comer e dormir bem. Misty e eu sentimos que estamos muito melhor do que estávamos em Pequim. Eu trabalhei muito duro. Eu sinto que eu construí a mim mesmo a partir do zero depois da minha gravidez. Mentalmente, demorou um pouco mais de tempo para voltar minha forma, mas nós estamos prontas.

Eu não me importo se está nevando, chovendo, chovendo granizo ou garoando, eu jogo com um sorriso no meu rosto. Eu adoraria usar o meu biquíni, mas se não der certo, eu ainda vou ter um sorriso no meu rosto. Nós temos roupas de frio, se necessário usaremos. Sabemos como fazê-lo. Para sermos atletas olímpicos temos trabalhado na sala de musculação, fazendo pilates, treinamento mental, fazendo de tudo que nós podemos fazer.

 

Fontes.

Pilates Style, july/august vol 9; 2012

The New York Times link

The Post Game link 

Usa Today link

Deixe uma resposta