Alongamento e flexibilidade parte II

O corpo humano está equipado com mecanismos internos de segurança que nos ajudam a evitar lesões e coordenar nossos movimentos. Em particular, o sentido cinestésico, que permite interpretar a sua orientação no espaço, recolhe os estímulos de seus músculos, tendões e ligamentos e enviando estas informações para em sistema nervoso central (SNC).

Esta informação sensorial contém detalhes sobre o comprimento, tensão e pressão aplicada sobre os tecidos musculares, conhecidos coletivamente como proprioceptores. Uma vez que o SNC recebe as mensagens de sistema motor, transmissões nervosas são conduzidos de volta para os músculos para reagir conforme o caso.

Reflexos de estiramento ocorrem quando as transmissões nervosas são enviadas diretamente da medula espinhal para o músculo fazendo o mesmo contrair-se. Reflexos de estiramento são as respostas naturais que nos ajudam a evitar lesões em nossos músculos e articulações.

O reflexo miotático  de estiramento operado pelo fuso muscular, eles impedem o excesso de alongamento e ruptura das fibras musculares. Localizado no ventre dos músculos esqueléticos, fusos musculares entregar as mensagens ao SNC sobre o montante que é esticado. Por sua vez, a transmissão nervosa é enviada de volta para desencadear uma contração muscular para diminuir o estiramento.

O grau de contração reflete a força e a velocidade em que foi executado. Assim, o reflexo miotático é provável de ocorrer em movimentos com solavancos e movimentos balísticos, que são rápidos e enérgicos. Em contraste, estender-se lentamente e controladamente  torna-se menos propenso a sofrer um reflexo de estiramento, permitindo que os seus músculos relaxem e alonguem.

O reflexo miotático inverso te protege de um conjunto de lesões, quando forças intensas são aplicadas em um tendão. Quando um músculo é fortemente contraído ou alongado, o órgão do tendinoso de Golgi OTG, é ativado e envia uma mensagem para o Sistema Nervoso Central sobre o excesso de tensão no tendão do músculo. O músculo responde pelo repouso, a fim de reduzir o estresse no tendão.

Qual é a diferença entre a flexibilidade e  mobilidade?

Não há diferença normalmente entre estes dois termos. Ambos referem-se ao alongamento muscular e a amplitude de alongamento que podem ocorrer nas articulações do seu corpo. Isso quando observamos uma articulação isolada do corpo.

O que é mobilidade?

A mobilidade é a capacidade de executar uma ação conjunta através de uma série de movimentos. Em qualquer movimento existem dois grupos de músculos trabalhando:

• músculos agonista, que realizam o movimento,

• músculos antagonistas, que se opõem ao movimento e determinar aquantidade de mobilidade.

Por que fazer exercícios de flexibilidade?

O objetivo em treinar flexibilidade é melhorar a taxa de elasticidade dos músculos antagonistas.

Quais são os benefícios?

A mobilidade desempenha um papel importante na preparação dos atletas através do desenvolvimento de uma amplitude de movimento que permita o desenvolvimento técnico e auxiliar na prevenção de lesões. Existem controvérsias se realmente o alongamento isolado reduz o índice de lesão, sabe-se que precisamos de mais estudos para comprovar isso e que uma flexibilidade aumentada muitas vezes é preditivo de lesões. Em geral, os músculos são suficientemente longos para permitir a amplitude total de movimento em uma articulação. É o controle neuromuscular dessa tensão que frequentemente precisa ser reestabelecido para que os músculos mostrem seu comprimento total. Um estiramento de um tendão além de 4% de seu comprimento pode danifica-lo.

Como vou saber se estou alongando corretamente?

Quando você executa um alongamento corretamente, você vai sentir um leve desconforto nos músculos antagonistas. Se você sentir dor ou sensação de esfaquear você deve parar.

O que eu preciso considerar antes de realizar exercícios de flexibilidade?

O corpo responde melhor a um programa de alongamento quando está quente e os músculos e articulações tiverem sido exercitados através de uma gama de movimentos. Os principais esforços devem ser direcionados para os músculos e fáscias, ligamentos e tendões são menos elásticos  e não se quer produzir muita flacidez neles.

Quais são os tipos de exercícios para flexibilidade ?

As diferentes técnicas de alongamento podem ser agrupadas como estático, balístico e assistidos. No movimentos estáticos e nos exercícios

balísticos o atleta está no controle dos movimentos. Em assistido o movimento é controlado por uma força externa, que geralmente é um parceiro. Os alongamentos balísticos tem sido menos usado porque possuem uma maior probabilidade de lesões.

Quais são os melhores para realizar?

Os métodos estáticos de alongamento são muito mais seguros e o uso de uma técnica  incorreta é menos provável de resultar em sensibilidade muscular grave e lesões. Por outro lado, movimentos balísticos e de alongamento dinâmico proporcionará resultados muito maior em um período muito curto de tempo, se usado com técnicas de exercícios apropriados. Os movimentos balísticos são muito arriscados se realizado inadequadamente a probabilidade de lesão é maior do qualquer outra forma de exercício para aumentar a mobilidade.

Quando devem ser realizados?

Exercícios de mobilidade podem ser parte do programa de aquecimento ou uma forma isolada de trabalho. É considerado benéfico realizar exercícios de mobilidade como parte do programa desaquecimento, mas isso não deve incluir exercícios balísticos porque os músculos estão fatigados e mais propenso a lesões. Exercícios estáticos são recomendados pois relaxam os músculos e aumentar a sua amplitude de movimento.

Não há ordem pré-estabelecida na forma de fazer exercícios de mobilidade, mas a recomendação usual é fazer o alongamento estático antes dinâmico ou alongamento balístico.

Incluir exercício de flexibilidade em seus treinamentos é extremamente importante para combater as três principais fatores que são responsáveis por encurtamento e falta de flexibilidade muscular. São eles:

1. O processo de envelhecimento. À medida que envelhecemos, nossos corpos tendem a desidratar – além das estruturas dos nossos tecidos  mudarem, fazendo com que nossos músculos tornem-se menos flexíveis.

2. O próprio ato de formação propriamente dita. Quando um músculo é exercitado e se desenvolve, ao longo do tempo se tornará mais rígido – e, portanto, sua flexibilidade irá diminuir.

3. Problemas posturais. Estilos de vida sedentários – incluindo longas horas sentado enquanto trabalha no computador, assistindo TV e / ou dirigindo automóveis – contribuem para o desenvolvimento da má postura, tornando alguns músculos sobrecarregados ou menos flexíveis.

O objetivo do alongamento regular é manter ou melhorar a sua flexibilidade para que você obtenha mobilidade total e uma gama completa de movimentos de cada músculo. Uma vez tendo alcançado o comprimento máximo absoluto, a tentativa de aumentar ainda mais este alongamento serve apenas para estirar  os ligamentos e submeter os tendões a uma tensão indevida. Mesmo quando tendões e ligamentos alongados demais não se laceram, o resultado muitas vezes é uma redução da estabilidade.

 

8 comentários em “Alongamento e flexibilidade parte II

Deixe uma resposta